Dra. Denise Mondejar Molino
 (CRP 06/6070)

Psicóloga pela PUC-SP
Especialista em Psicologia Clínica -Psicoterapeuta de abordagem junguiana e corporal - Supervisora Clínica e Coordenadora de grupos de estudos sobre A Psicologia de C.G. Jung / Transtornos Alimentares
 




Corpo e Imagem do Corpo nos Transtornos Alimentares

Para saber mais sobre Psicologia Infantil, consulte diretamente a Dra. Denise Mondejar Molino (vide anúncio abaixo)



Leia Também:

Dra. Denise Mondejar Molino:

Corpo e Imagem do Corpo nos Transtornos Alimentares (julho 09)
  Gôsto de Sapo na Boca .
(julho 09)
  Bebes Prematuros – Etica e Investimento.
(janeiro 09)
  Excessos e Faltas
(dezembro 08)
  Vidas não Vividas
(setembro 08)
  Presença na Educação dos Filhos
(julho 08)
  Sogra e Nora: Uma Relação Tão Delicada
(maio 08)
  O Medo do Medo que Dá
(fevereiro 08)
  Psicoterapia: Surpresa e Liberdade de ser
(janeiro 08)
  Transtornos Alimentares: a Família e a Informação como Aliados
(dezembro 07)
  Aparências
(outubro 07)
  Obesidade Infantil
(agosto 07)
Emagrecer de Dentro para Fora (junho 06)
Por uma função criativa da adoção (maio 06)

A obesidade, bulimia nervosa, anorexia nervosa, o transtorno da alimentação compulsiva periódica e o overtrainning, constituem hoje um problema de saúde importante pela freqüência e faixa etária atingidas e pelas consequências psicofísicas e sociais que determinam.

Suas causas são multifatoriais e de seu diagnóstico e tratamento participam médicos, psicólogos, nutricionistas e profissionais de Educação Física. Seus sinais e sintomas, de início, simples preocupações com a aparência e o peso corporal, vão tomando espaço na vida dos indivíduos e restringindo seus relacionamentos. Surge a recusa dos alimentos, os vômitos induzidos, os exercícios físicos excessivos, o uso de laxantes, a burla das dietas, tristeza ou euforia, perfeccionismo e isolamento social.
 
Com frequência encontramos nestes jovens um grau aumentado de preocupação com partes do corpo ou detalhes do mesmo, que supervalorizados passam a ocupar o foco de interesses e temores. É o que chamamos de dismorfofobia, uma distorção da imagem que se tem do próprio corpo, que desconsidera sua anatomia ou fisiologia, de caráter bastante perturbador.

A fome, comportamento instintivo ligado à preservação da espécie sofre com as alterações da saúde e percebe-la depende do grau de contato que temos com nosso corpo e com as sensações que dele proveem. A relação com a comida é constituída pela história pessoal, por experiências iniciais com figuras afetivas importantes, por hábitos e valores que o meio ambiente (entenda-se, família) pratica, ganhando assim status simbólico e refletindo a forma com o indivíduo se sente ou não alimentado pela vida.

Quando o alimento preenche necessidades emocionais ou frustrações e sentimentos mal interpretados, funciona com um sonífero a enterrar as questões cada vez mais no corpo dificultando sua compreensão. Os muitos jovens, meninos e meninas são atingidos por estes transtornos em momentos que necessitam fazer escolhas existenciais importantes, lograr autonomia da casa paterna e ter consciência de impulsos e necessidades. A tarefa não é pequena para quem precisa dar conta das pressões por escolha vocacional tão exagerada em nossa sociedade hiperativa, da emergência  da sexualidade e da vida em grupo. Trata-se de um momento de intensa vulnerabilidade onde é preciso estar relativamente em ordem emocionalmente para enfrentar as exigências que pertencer à "tribo" demanda.

É a imagem corporal o elemento que se altera nos principais transtornos alimentares. Definida por Paul Schilder, em 1935, como o registro tridimensional que temos de nós mesmos, inclue a sensação e a imaginação do corpo tal como o experimentamos. Dito de outra forma, é o resultado de como fomos tocados, sustentados ou não, dos níveis de proximidade física e das doenças que tivemos. Tudo isso contribue para a forma como ME VEJO (e fui visto) e de como ME GOSTO. Nossas experiências contribuem para a formação de "buracos” (vazios, inconsciências) ou enrijecimentos dos órgãos/partes do corpo no processo de constituição da imagem corporal. O corpo se contrae ou se expande na base da nossa psicologia, fisiologia e das trocas sociais prazeirosas ou desprazeirosas que fizemos, se abrindo às milhares de possibilidades de movimentos, mas também a formas particulares de imobilidade.

Quando a comida, a aparência  e o peso corporal tomam a vida de um indivíduo estamos diante de um transtorno da alimentação e é necessário tratá-lo através de medicamentos, dieta, atividades físicas adequadas e um cuidadoso e interessado processo psicoterápico que possa ajudar a traduzir o dilema vivido pelo indivíduo e pelos que o cercam. O grupo familiar, seu apoio e responsabilidade são fundamentais. Os valores que praticam, o grau de afetividade e o exame da suscetibilidade às aparências e preocupações com  o consumo podem representar a base sobre a qual as transformações poderão ocorrer.
 
Questionar a desmesura da sociedade contemporânea que transforma o corpo em terminal a ser moldado, pintado, esvaziado ou enchido parece lugar comum. Então o que refletimos aos nossos filhos ao procurarem nosso olhar? O que espelhamos a eles, imploramos que façam ou a quem confiamos seu futuro?

Numa sociedade narcisista onde as pessoas dependem excessivamente umas das outras é fácil ser pego pela armadilha da interrogação ansiosa do espelho da Branca de Neve. Nossa habilidade e libertação talvez estejam em formular a ela uma outra questão, outra resposta e surpreendê-la.

 

Denise Molino é psicoterapeuta junguiana atendendo em consultório em São Paulo e Jundiaí.
e-mail:dmmolino@hotmail.com / site:HTTP://integraalma.blogspot.com

 


Dra. Denise Mondejar Molino
 (CRP 06/6070)

Consultório em São Paulo:
Rua Bastos Pereira, 58
Fone: (11) 3887-7125 - Vila Nova Conceição

Consultório em Jundiaí:
Rua Mario Borin 500 conj.13
Tel.:(011)4522-6701 / 9724-1768

Aviso: As informações contidas neste Web Site, não podem ser usadas como um substituto para se obter aconselhamento 
ou tratamento médico. Os leitores deste Web Site não devem depender exclusivamente das informações aqui contidas. 
Procure sempre um profissional especializado.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2008