Dra. Denise Mondejar Molino
 (CRP 06/6070)

Psicóloga pela PUC-SP
Especialista em Psicologia Clínica -Psicoterapeuta de abordagem junguiana e corporal - Supervisora Clínica e Coordenadora de grupos de estudos sobre A Psicologia de C.G. Jung / Transtornos Alimentares
 




Transtornos Alimentares:
A família e a informação como aliados


Conheça mais profundamente sobre os
transtornos alimentares, que nos dias de hoje
vêem causando danos à saúde de pessoas
em qualquer faixa etária, inclusive em
crianças e adolescentes.



Para saber mais sobre Psicologia Infantil, consulte diretamente a Dra. Denise Mondejar Molino (vide anúncio abaixo)



Leia Também:

Dra. Denise Mondejar Molino:

Corpo e Imagem do Corpo nos Transtornos Alimentares (julho 09)
  Gôsto de Sapo na Boca .
(julho 09)
  Bebes Prematuros – Etica e Investimento.
(janeiro 09)
  Excessos e Faltas
(dezembro 08)
  Vidas não Vividas
(setembro 08)
  Presença na Educação dos Filhos
(julho 08)
  Sogra e Nora: Uma Relação Tão Delicada
(maio 08)
  O Medo do Medo que Dá
(fevereiro 08)
  Psicoterapia: Surpresa e Liberdade de ser
(janeiro 08)
  Transtornos Alimentares: a Família e a Informação como Aliados
(dezembro 07)
  Aparências
(outubro 07)
  Obesidade Infantil
(agosto 07)
Emagrecer de Dentro para Fora (junho 06)
Por uma função criativa da adoção (maio 06)


Os transtornos alimentares, dentre eles a bulimia nervosa, a anorexia, a compulsão periódica e a vigorexia, consideradas como doenças do impulso vem sendo estudadas quanto a suas relações com o funcionamento cerebral e na sua expressividade psicológica. Na web é possível encontrar uma quantidade de informações vindas de fontes bastante confiáveis, de trabalhos científicos e artigos bem elaborados. Os especialistas fazem a sua parte quando vem a publico explicar sintomas, conseqüências e formas de tratamento tirando o assunto de âmbito acadêmico e dos consultórios e facilitando ao publico leigo as informações.

O aumento significativo do número de casos, inclusive de obesidade infantil, e da ocorrência cada vez precoce das anorexias não deve servir para que banalizemos sua gravidade e importância.

Comecei a atender pacientes com transtornos alimentares na década de oitenta quando pouco se falava sobre o assunto, principalmente mulheres jovens bulimicas e anoréxicas num estagio avançado de sofrimento psíquico e corporal. Como parte de um mecanismo de controle da situação omitam o que lhes ocorria, enveredando por um caminho cheio de disfarces e acabavam se perdendo em tantos temores e atos para evitá-los.

Difícil aceitar que haviam perdido a liberdade de escolha e estavam na mão de um quadro tirano. Admitir a impotência diante de algo maior era difícil para essas jovens mulheres já que faz parte da adolescência pensar que estamos sempre no comando e que o sofrimento ocorre com os outros, não conosco.

Ainda hoje estes distúrbios têm seu inicio referido na adolescência e se misturam com algumas ocorrências comuns tais como uma certa ilusão de indestrutibilidade, uma grande energia para questionar os laços da família de origem, a experiência do corpo em mutação, a sexualidade e a escolha vocacional.

Ma é nesse momento crucial de passagem quando essas meninas mulheres precisam “fincar o pé” testando seus apoios algo altera o curso natural do desenvolvimento psicológico e elas ficam paralisadas. É bem verdade que os condicionamentos e expectativas sociais ditadores de padrões de comportamento e beleza fazem pressão sobre essas jovens, mas não são a causa dos transtornos alimentares. Não há doença se o terreno esta bem defendido e cuidado. Existe um conjunto de acontecimentos psicológico pessoais aliados às situações externas presentes em todos os casos de T.A. Há sempre nessas pacientes e em suas famílias vínculos frágeis ou confusos, super proteção, pouca tolerância á frustração e à imprevisibilidade da vida, dupla comunicação, ansiedade e impulsividade. Portanto trata-las implica em examinar o funcionamento familiar dentro da psicoterapia e fora, em termos de orientação aos seus membros.

Nos grandes centros de tratamentos da Inglaterra, nos EUA e aqui no Brasil em hospitais ligados a grandes universidades o núcleo familiar é chamado a participar em vários momentos do processo. A colaboração e a transformação das relações e dos papéis familiares é fundamental.

O trabalho piscicoterápico é relativamente longo por que necessita discriminar onde esta estacionada a personalidade; porque é necessário formar um vinculo importante com a paciente e obter dela e de seus familiares (quando menores) colaboração. Examinar medos, confusões e equívocos nas relações com as pessoas, com próprio corpo tenso e exausto além de confrontar necessidades não é tarefa pequena.

Aqui no Brasil utilizamos alem da terapia verbal, técnicas de relaxamento respiratório, o condicionamento autógeno de Schultz e outros recursos expressivos que estimulem a independência do paciente, uma melhor consciência corporal e controle da ansiedade.

A medicação psiquiátrica e uma reprogramação de hábitos permite que o processo psicoterápico flua em melhores condições.

O intelecto só “não faz verão” e, portanto o enfrentamento de qualquer impasse psicológico pessoal surge dos conhecimentos a respeito somados a uma disposição para examinarmos nossa atitude consciente


Denise M. Molino é psicoterapeuta junguiana trabalha em seu consultório em São Paulo e Jundiaí, no atendimento clinico e na formação de jovens psicólogos.


Dra. Denise Mondejar Molino
 (CRP 06/6070)

Consultório em São Paulo:
Av. Lins de Vasconcelos 1609 - conj 52
Fone: (11) 2274-5588 - Vila Mariana

Consultório em Jundiaí:Rua Francisco Pereira Coutinho 165, V.Municipal, tel: 011-4522-6615/ 011-9724-1768 , Jundiai ,São Paulo .

Aviso: As informações contidas neste Web Site, não podem ser usadas como um substituto para se obter aconselhamento 
ou tratamento médico. Os leitores deste Web Site não devem depender exclusivamente das informações aqui contidas. 
Procure sempre um profissional especializado.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2008