Dra. Denise Mondejar Molino
 (CRP 06/6070)

Psicóloga pela PUC-SP
Especialista em Psicologia Clínica -Psicoterapeuta de abordagem junguiana e corporal - Supervisora Clínica e Coordenadora de grupos de estudos sobre A Psicologia de C.G. Jung / Transtornos Alimentares
 




OBESIDADE INFANTIL


Continuando o assunto do mês passado,
a Dra. Denise complementa importantes informações
sobre obesidade infantil, um assunto que atualmente
vem trazendo muitas preocupações a pais e médicos
.


Para saber mais sobre Psicologia Infantil, consulte diretamente a Dra. Denise Mondejar Molino (vide anúncio abaixo)



Leia Também:

Dra. Denise Mondejar Molino:

  Gôsto de Sapo na Boca .
(julho 09)
  Bebes Prematuros – Etica e Investimento.
(janeiro 09)
  Excessos e Faltas
(dezembro 08)
  Vidas não Vividas
(setembro 08)
  Presença na Educação dos Filhos
(julho 08)
  Sogra e Nora: Uma Relação Tão Delicada
(maio 08)
  O Medo do Medo que Dá
(fevereiro 08)
  Psicoterapia: Surpresa e Liberdade de ser
(janeiro 08)
  Transtornos Alimentares: a Família e a Informação como Aliados
(dezembro 07)
  Aparências
(outubro 07)
  Obesidade Infantil
(agosto 07)
Emagrecer de Dentro para Fora (junho 06)
Por uma função criativa da adoção (maio 06)


Já é consenso que a obesidade infantil vem aumentando significativamente, determinando complicações na infância e vida adulta. Manejar essa verdadeira epidemia está relacionado à mudança de hábitos e à maneira de encarar a alimentação, pedindo aos pais seletividade e calma e aos especialistas uma visão ampla de suas causas e efeitos.

A vida sedentária das crianças, o tempo gasto frente á TV, uma agenda precocemente lotada de compromissos, a dificuldade de brincar na rua e explorar o corpo e o apelo comercial por guloseimas sem nenhum valor nutricional são fatores externos que predispõem a obesidade infantil. O diabetes materno, o ganho de peso gestacional exagerado e a hereditariedade também contribuem para o seu aparecimento.

As conseqüências deste quadro na infancia atinge a criança na sua unidade biopsicossocial causando hipertensão, alto colesterol, puberdade precoce e por conseguinte parada do crescimento. À esta situação orgânica  somam-se discriminação social,  afastamento das atividades em grupo, isolamento, dificuldades com a expressão dos sentimentos, baixa auto-estima e problemas escolares. Pór trás do “gordinho bonachão” ou da “gordinha engraçada ou invocada” há uma criança que potencialmente sofre.

O ser humano é único em seus ritmos e necessidades individuais e um desenvolvimento harmonioso depende da possibilidade de viver essas peculiaridades sem grandes interferências. Além da finalidade  nutricional a alimentação é uma forma de comunicação entre a mãe e sua criança e depende do que a primeira pode oferecer e do que a segunda pode receber e processar. Pais muito ansiosos não confiam no relógio biológico das crianças e perdem a capacidade de discriminar adequadamente o sentido de determinadas situações. Quando uma criança chora ou está entediada expressa um desconforto de várias origens. Resolvê-lo com comida faz com que esta adquira valor de companhia, sonífero, distração e via de descarga para tensões e temores vários. Pais superprotetores com medo que seus filhos se exponham a perigos físicos limitam o espaço vivencial impedindo a exploração dos limites corporais. Pular, brincar, correr e descansar, saber onde vai meu olhar, meus braços e pernas, enfim conhecer a própria força são experiências com o meio ambiente de valor inestimável.

É preciso que a família e a escola se comprometam com as mudanças quando se trata da obesidade infantil. Refeições sem brigas e longe da TV, de preferência na companhia de adultos com quem se possa conversar sobre as coisas da vida, reforçar os recursos emocionais da criança, reorientando-a para seus interesses e até perguntar do quê ela tem “fome” exatamente podem oferecer a presença necessária ao seu pleno desenvolvimento.


Dra. Denise Mondejar Molino
 (CRP 06/6070)

Consultório em São Paulo:
Av. Lins de Vasconcelos 1609 - conj 52
Fone: (11) 2274-5588 - Vila Mariana

Consultório em Jundiaí:
Rua Francisco Pereira Coutinho 165, V.Municipal , Tel:011-4522-6615 , Jundiaí.

Aviso: As informações contidas neste Web Site, não podem ser usadas como um substituto para se obter aconselhamento 
ou tratamento médico. Os leitores deste Web Site não devem depender exclusivamente das informações aqui contidas. 
Procure sempre um profissional especializado.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2006