Dra. Daniela Levy (CRP 06/58195-8)
Pós-Graduada (Latu Senso) em Psicologia Clínica Hospitalar pelo
Instituto do Coração - InCor do HC-FMUSP


e-mail: danlevy@bol.com.br




ESTIMULANDO A INTELIGÊNCIA DO BEBÊ


As pesquisas nos últimos 30 anos revelaram que a capacidade
de aprendizado dos bebês é muito maior do que se imaginava,
e que gerando estímulos no momento certo você pode fazer
a inteligência do seu filho decolar.


Para saber mais sobre Psicologia Infantil, consulte diretamente a Dra. Daniela Levy (vide anúncio abaixo)



Leia Também:

Dra. Daniela Levy:

Seu Filho Deficiente na Escola (agosto 01)
Conversando com Crianças sobre a Morte (julho 01)
Os Limites e Seu Filho
(junho 01)
Pais Separados (maio 01)
A Criança Hiperativa (abril 01)
Distúrbios do Sono em Crianças (março 01)
  Desmame e Pré Escola : O Inicio da Independência
(fevereiro 01)


Meltzoff afirma que a máquina de absorção de conhecimento dos bebês começa a funcionar já nos primeiros dias de vida. Trata-se daquilo que muitas mães já sabiam por instinto quando juravam que seus recém-nascidos eram capazes de proezas como identificar a sua voz.

Além de aprender rapidamente a distinguir a voz humana de outros sons, o bebê, poucos dias depois do nascimento, já reconhece faces, vozes e até os cheiros dos parentes. Antes dos sete meses, é capaz de fazer a distinção entre a sua língua materna e uma estrangeira.

Enquanto o cérebro do bebê está se formando no útero da mãe, ele responde a estímulos externos (a partir do quinto mês de gestação, por exemplo, ele é capaz de ouvir a voz dos pais) e, a partir daí, até o fim da vida, o seu destino é aprender.

Todo esforço para estimular o bebê é interessante, mas os pais não devem forçar a barra. O aprendizado também depende do afeto: se a mãe conversa com carinho com o bebê e o trata como um ser inteligente, é claro que ele vai responder a esses estímulos de forma carinhosa e inteligente.

Dicas para estimular a inteligência de seu filho:

  • Durante a gravidez – O bebê ouve a partir do quinto mês de gravidez e conversar faz com que ele se acostume à voz do pai e da mãe. Se você contar histórias simples e repetidas, depois do nascimento ele pode até ficar mais calmo quando as ouvir novamente.
  • 0 a 3 meses – Quando o bebê chorar, fale para mostrar que está por perto antes de atendê-lo. Cante e converse com o rosto perto dele. Massageá-lo desenvolve o tato e a capacidade afetiva. Use brinquedos como móbile e dê objetos de cores vibrantes para ele pegar, como mordedores e chocalhos.
  • 3 a 6 meses – Ele já segue os objetos com o olhar. Brincadeiras do tipo "escondeu-achou" ajudam-no a controlar os sentimentos de tristeza pela perda e de alegria por reencontrar o objeto. Os pais devem conversar com ele com bastante freqüência.
  • 6 a 12 meses – É o momento em que a área da linguagem está no seu momento chave. A partir do sexto mês, o bebê mostra firmeza para sentar e os pais devem estimulá-lo a engatinhar. Devem ajudá-lo também a reconhecer sons, odores e sensações táteis.
  • 12 a 18 meses – Como essa é a fase em que o bebê começa a andar e a pronunciar as primeiras palavras, os pais devem estimulá-lo a usar a linguagem e desenvolver sua coordenação motora.
  • 18 a 36 meses – Os pais podem utilizar cartolinas para familiarizar a criança com as palavras e com os números.
  • 3 a 6 anos – A criança é capaz de entender notas musicais e deve brincar com instrumentos simples, como uma flauta. É um bom momento para que ela comece a se familiarizar com uma língua estrangeira.

Da gestação até aproximadamente os seis anos, a mente está no seu melhor momento para assimilar novas informações. Quanto mais os pais conversarem com a criança e propiciarem uma estimulação adequada, melhor para o futuro dela.


Daniela Levy - Psicologia Infantil
(CRP: 06/58195-8)

Rua Borges Lagoa, 1065 - 1o andar - cj. 12
Vila Mariana
Tel 5549-1109
email: danlevy@bol.com.br

Aviso: As informações contidas neste Web Site, não podem ser usadas como um substituto para se obter aconselhamento 
ou tratamento médico. Os leitores deste Web Site não devem depender exclusivamente das informações aqui contidas. 
Procure sempre um profissional especializado.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2004