Dra. Maria Cristina Elias
Nutricionista (CRN 2299)


Mestre em Ciências Aplicadas à Pediatria - UNIFESP - Especialista em Nutrição em Cardiologia pela Socesp



DIABETE GESTACIONAL


É a intolerância aos carboidratos, de graus variados de intensidade 
(diabetes e tolerância diminuída à glicose), diagnosticada pela primeira vez durante a gestação, podendo ou não persistir após o parto.

O diagnóstico do diabete gestacional é por definição transitório, 
devendo ser reavaliado no período pós-parto.



Leia Também:

Nutrição na Gravidez / 2a. parte
(março 01)
Definições sobre Nutrição
(fevereiro 00)
Dicas para Melhorar o Consumo Alimentar em Crianças de 1 a 6 Anos
(janeiro 00)
Modelo de Alimentação Saudável: Pirâmide Alimentar (dezembro 00)
Programação para o Desmame (novembro 00)
Desmame Saudável 
(outubro 00)
Fases da Alimentação do Lactante (setembro 00 )
A Importância da Alimentação nas Primeiras Etapas da Vida e a Obesidade (agosto 00)
Suco de Frutas e Iogurte
 (julho 00)
Nutrição na Infância
 (junho 00)

 


O tratamento inicial consiste de uma dieta para diabetes, como na não gestante, mas com acréscimo de aproximadamente 300 Cal no segundo e terceiro trimestre dependendo do ganho de peso. A necessidade energética é bastante individualizada variando de acordo com o peso pré-gravidez, estágio da gestação e com o objetivo de manter os níveis glicêmicos dentro dos padrões de normalidade.

Alguns cuidados são necessários para que o risco de complicações seja reduzido, e a mulher possa desfrutar o período de gravidez com tranqüilidade.

Recomenda-se:

  • Evitar o consumo de açúcares em geral, mel, melado, doce, refrigerante e bebidas adoçadas com açúcar, se necessário, pode-se utilizar, qualquer tipo de adoçante. Não existe comprovação científica de que possam fazer mal à saúde da mãe ou causar danos ao feto, mas é melhor usá-los sob a supervisão de um médico ou nutricionista.

  • Alimentos ricos em amido (cereais e leguminosas) e frutas (ricas em açúcar simples) diariamente, porém com controle das quantidade para não alterar a glicemia e evitar ganho de peso excessivo. 

  • As frutas contêm vitaminas extremamente necessárias para a gestante.

  • Hortaliças cruas e cozidas, 4 a 5 porções ao dia para garantir o fornecimento de vitaminas, minerais e fibras. As fibras insolúveis, farelo de trigo, grãos integrais e hortaliças, ajudam a combater a obstipação causada pela diminuição da atividade física e pelo aumento da pressão do útero.

  • Água - 6 a 8 copos ao dia, nos intervalos das refeições principais.

  • Laticínios magros - 4 porções ao dia para garantir proteínas e calorias adicionais necessárias ao crescimento do feto, aumento das necessidades metabólicas da gravidez e fornecimento de cálcio necessário para o desenvolvimento adequado de esqueleto fetal.

A moderação no uso do sal e dos alimentos ricos em sódio é indicada para todos as pessoas, inclusive na gravidez. Quando ocorre retenção de líquidos ou aumento da pressão arterial, esta restrição deverá ser mais severa.

É importante que o acompanhamento da evolução ponderal e níveis glicêmicos seja feito durante toda a gestação por profissionais especializados, para garantir a saúde da futura mamãe e de seu filho.

O ideal e procurar a orientação de um profissional especializado para que a orientação seja direcionada para "você", de acordo com as suas necessidades nutricionais, peso, exames laboratoriais e semana de gestação. 


Dra. Maria Cristina Elias (CRN 2299) Nutricionista

R. Carlos Petit, 253 - V.Mariana - São Paulo - SP - Fone: (11) 5579-6233 e 5549-6318
Av. Carlos Rebelo Jr., 357 - Vila Paraiba - Guaratinguetá - SP - Fone: (12) 525-1855

Aviso: As informações contidas neste Web Site, não podem ser usadas como um substituto para se obter aconselhamento 
ou tratamento médico. Os leitores deste Web Site não devem depender exclusivamente das informações aqui contidas. 
Procure sempre um profissional especializado.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2004