Dra. Maria Cristina Elias
Nutricionista (CRN 2299)
 

Mestre em Ciências Aplicadas à Pediatria - UNIFESP - Especialista em Nutrição em Cardiologia pela Socesp



DICAS PARA MELHORAR O CONSUMO ALIMENTAR
 EM CRIANÇAS DE 1 A 6 ANOS DE IDADE


Muitas mães enfrentam problemas ou situações difíceis 
na hora da refeição de seus filhos, principalmente durante 
os primeiros anos de uma criança. 

Cara feia, choro, bico... e nada de comer!!! 
Veja a seguir algumas dicas essenciais para
ajudá-la
a propiciar a seu filho uma alimentação mais regular e saudável... 



Leia Também:

Modelo de Alimentação Saudável: Pirâmide Alimentar (dezembro 00)
Programação para o Desmame (novembro 00)
Desmame Saudável 
(outubro 00)
Fases da Alimentação do Lactante (setembro 00 )
A Importância da Alimentação nas Primeiras Etapas da Vida e a Obesidade (agosto 00)
Suco de Frutas e Iogurte
 (julho 00)
Nutrição na Infância
 (junho 00)

 

A seguir uma relação com várias dicas para melhorar o consumo alimentar de seu filho(a): 

  • A criança precisa ter horários predeterminados para a ingestão de qualquer alimento. É comum dar mais importância para o café da manhã, almoço e jantar, deixando os lanches, biscoitos e as guloseimas sem padrão de horário.

  • É importante um intervalo entre as refeições de duas a três horas. A criança deve aprender, desde pequena, a comer nos horários determinados pela família, pois assim reforçam os bons hábitos alimentares e a convivência familiar. Um criança que não tem intervalos razoáveis entre as refeições, ela se adapta a falta de horário, não se alimentando bem no almoço e no jantar.

  • Não oferecer alimentos entre as refeições. Quando a criança recusa a refeição principal, não se deve oferecer outro alimento no lugar, não forçá-la nem agradar-lhe. Neste caso, o melhor é aguardar mais meia hora ou uma hora e oferecer novamente a mesma refeição.

  • Diminuir os líquidos entre as refeições. Durante as refeições as bebidas precisam ser controladas, pois a criança troca facilmente a refeição por sucos ou refrigerantes. Os refrigerantes podem ser dados, mas sempre de forma limitada. Nos finais de semana, por exemplo.

  • Não recompensar nem ameaçar a criança que não come.

  • Ter firmeza e equilíbrio. Quando a criança se alimentar fora de hora ou comer, com freqüência, alimentos inadequados, pode ocorrer prejuízos no seu estado nutricional.

  • Colocar pouca comida no prato. O volume da refeição da criança de 1 a 6 anos deve ser adequado à sua pequena capacidade gástrica. Pratos grandes, além de não estimulá-la, trazem aversão, pois ela já se satisfaz só de olhar. O correto é colocar um pouco de cada preparação no prato, se ao final da refeição houver um pedido de mais comida, é conveniente servir uma porção menor do que a primeira.

  • Evitar artifícios para estimular a alimentação: aviãozinho, televisão.

  • Uma forma válida de estimular a ingestão de alimentos é elaborar pratos com alimentos não aceitos pela criança. Por exemplo com batata é possível fazer bolinhos, tortas ou batatas recheadas.

  • Evite alimentos muito energéticos antes das refeições. Criança que come biscoitos, sorvetes, doces, salgadinhos ou qualquer outro alimento, antes do almoço ou do jantar, rejeitará a refeição e solicitará algo para comer logo depois, estabelecendo um ciclo vicioso.

  • Os pais precisam dar exemplo de alimentação saudável: as crianças copiam os modelos alimentares dos pais e de pessoas que admiram. Se a família tem bons hábitos, a criança os incorpora com o passar do tempo. Quando ela rejeita qualquer alimento, o melhor é não insistir, mas sim dar exemplos. 


Dra. Maria Cristina Elias (CRN 2299) Nutricionista

R. Carlos Petit, 253 - V.Mariana - São Paulo - SP - Fone: (11) 5579-6233 e 5549-6318
Av. Carlos Rebelo Jr., 357 - Vila Paraiba - Guaratinguetá - SP - Fone: (12) 525-1855

Aviso: As informações contidas neste Web Site, não podem ser usadas como um substituto para se obter aconselhamento 
ou tratamento médico. Os leitores deste Web Site não devem depender exclusivamente das informações aqui contidas. 
Procure sempre um profissional especializado.

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2004