Manual dos Primeiros Anos


A Volta para Casa
     Nós, mães e mulheres
    Nós e nosso bebê
    Nós e nossa família

Alimentação de 0 aos 2 anos
    O seu crescimento
    O primeiro nutrimento
    O início da alimentação
    Alimentação de 1 a 2 anos

Crescimento e Progressos
    Mundo do recém nascido
    Os primeiros três meses
    Dos 3 aos 6 meses
    Dos 6 meses a 1 ano
    De 1 a 2 anos
    Brincadeiras e Segurança

Dicionário de A a Z
    A B C
    D E F
    G H I 
    J K L
    M N O
    P Q R
    S T U
    V X Z

 


Um Grande Dorminhoco
A principal ocupação de um bebê de poucos meses é dormir, e o faz durante a maior parte do dia. Não se preocupe se ele parece que dorme muito ou que dorme pouco... os bebês têm um ritmo próprio e sabem perfeitamente bem quantas horas de sono precisam. Se ele tiver sono, não importa a presença de outras pessoas ou se ele se encontra em um lugar pouco confortável ou barulhento, tenha certeza que ele adormecerá. 
Tantas pequenas sonecas: durante os primeiros meses, os bebês  alternam períodos de um sono muito leve com períodos de sono bem mais profundo, às vezes ficando difícil distinguí-los... geralmente, essas sonequinhas durante o dia são breves e interrompidas por vários momentos de agitação. Naturalmente, a cada mês que passa e ele vai crescendo, menos ele dorme. Próximo ao sexto mês, os bebês tendem a reduzir em algumas horas os seus períodos de sono. É claro que também para o sono valem as diferenças individuais: existem crianças de poucos meses que dormem tranquilamente até 18 horas por dia, e outras que dormem somente 11 horas... são simplesmente características pessoais de cada um.
Os ritmos do sono: com o passar dos meses além da duração, muda também a qualidade do sono. Nas primeiras semanas de vida, o sono profundo, a soneca e os momentos despertos se alteram irregularmente, porém a medida que o bebê cresce, estas fases começam a se distinguir uma da outra... as horas de sono noturnas se definem mais e o sono é mais profundo, e os momentos em que está acordado ele está mais alerta e atento. Em geral, os bebês tendem a se acostumar com os ritmos dos adultos: sono profundo à noite e sonequinhas breves durante o dia. Às vezes acontece que seu bebê troque o dia pela noite, com efeitos desastrosos para o repouso do resto da família. Para evitar que isso aconteça e garantir um repouso sereno, tente alguns truques: mantenha o ambiente bem iluminado durante o dia e mais escuro à noite para que ele possa habituar-se às diferenças; à noite escolha pijaminhas confortáveis e de acordo com a temperatura, que deixe seus movimentos livres e permitam uma boa transpiração; evite cobri-lo exageradamente pois os recém nascidos são muito menos friorentos do que imaginamos... às vezes o choro ou inquietação de seu bebê são devidos ao excesso de calor

Um Belo Sorriso
O primeiro sorriso de um bebê enche de alegria e orgulho toda mamãe e papai, mesmo quando na realidade se trata de um pré-sorriso: uma espécie de reflexo que ele pode demonstrar nas primeiras semanas de vida mas que ainda não tem o significado de um sorriso. Quase sempre, se manifesta em resposta a um som, uma voz, ou simplesmente para demonstrar satisfação ao fim da mamada. Um sorriso mais genérico chega no final do primeiro mês de vida, quando o bebê começa a elaborar a expressividade. Mas, por mais que seja um sorriso aberto e comova os pais e avós, é somente um aceno de saudação à visão de um vulto familiar. Para o sorriso consciente, que é aquele que o bebê presenteia somente a quem quer e com uma intensão bem definida, é preciso esperar ainda um pouco mais. Em geral por volta do terceiro mês de vida, o bebê começa a entender os instrumentos de que dispõe para se "fazer entender": aprendeu que se gritar por fome ou porque se sente sujo, alguém virá rapidamente, se chora por se sentir só a mamãe chega logo logo para pegá-lo no colo, e se quer demonstrar satisfação por algo de belo que tenha visto (quase sempre o rosto da mãe) sorri confiante em resposta. Uma dica importante: neste período o bebê frequentemente sorri também por imitação. Por isso, sorria bastante para seu filho, como verdadeiras demonstrações de alegria, pois muito provavelmente ele crescerá mais alegre e extrovertido. 

De Repente Ele Descobre as Mãos
Por volta do terceiro ou quarto mês, ele fará uma descoberta ainda mais interessante que os brinquedos pendurados no móbile de seu berço: as suas próprias mãos. Todos os bebês passam muito tempo observando as mãos, um inesperado brinquedo que serve inclusive para explorar e segurar outras coisas. Seu mundo ainda é todo a ser descoberto, e as mãos se tornarão os instrumentos para conhecer seu próprio rosto e corpo (lembre-se sempre de cortar as unhas para evitar que se arranhe); são como um jogo novo e divertido, principalmente quando ele começa a coordenar os movimentos de abrir e fechar os dedos, e são o modo mais fácil de segurar o que quer que estiver ao seu alcance, dos cabelos da mamãe aos brinquedos do berço. Mas as mãos são também uma fonte de prazer: é só colocá-las na boca e chupar com força para ter as mesmas gostosas sensações de quando ele está mamando ao seio da mamãe.
Um formidável exercício: durante este período, seu filho se revelará cada vez mais ativo e aberto ao mundo externo: descobre o jogo, reconhece os objetos, e manifesta mais claramente as suas satisfações. Ele descobrirá a relação causa-efeito, isto é, consegue entender que se empurrar os brinquedos sobre o móbile, estes começarão a balançar, e repete o mesmo movimento para se certificar que o efeito será o mesmo. Esta coordenação olho-mão se aperfeiçoará entre o 5° e o 6° mês, quando ele conhecerá os limites do próprio corpo, descobrirá os pézinhos, e assim que conseguir controlar os movimentos os colocará na boca. Outro passatempo que ele adora é descobrir com as mãos o rosto da mamãe, assim, toda vez que você o pegar no colo, ele começará a tatear com muita alegria a face que lhe é mais familiar.
Ele precisa de segurança: os estímulos e a atenção da mãe neste período são fundamentais. Para favorecer a idade das descobertas use e abuse dos brinquedinhos coloridos, dos objetos para pendurar no berço, dos próprios objetos da casa. Assim ele começa a descobrir novas formas, novas texturas e consistências, favorecendo a sua curiosidade natural. Nesta hora o bebê pode precisar sentir-se seguro e de incentivos, por isso é importante a presença da mãe, fazendo com que ele se sinta confiante ao saber que você está sempre com ele, pronta para responder às suas necessidades... o momento das descobertas é uma novidade que lhe abre as portas para o mundo externo que ele está por conhecer. 

 



Copyright© Clube do Bebê 2000/2004